Printer-friendly versionSend to friend
Palestinian Grassroots Anti-apartheid Wall Campaign

Trabalhador@s Mudam o Mundo

Sireen Khudairi foi abordada por soldados israelenses em seu caminho para casa ao voltar da universidade. Após 4 meses ela foi solta. Não houve nenhum julgamento. Quando ela questionou os soldados qual era a acusação, a resposta foi “isso é você quem deve nos dizer”. Ela acredita que sua detenção foi motivada por alguma atividade ‘de esquerda’. Quando solta, ela imediatamente se tornou procurada novamente, e após 3 meses foi encarcerada uma vez mais, por uma semana, desta vez em total isolamento em uma cela subterrânea.

 
Eu me encontrei com ela em um treinamento para trabalhores e trabalhadoras do setor têxtil, no qual ela era minha intérprete.
 

 

Na Palestina há poucos sindicatos independentes. A maioria deles é atrelada a partidos políticos, a organizações e a Autoridade Palestina. Como uma reação a este fato e para possuir um sindicato ativo e democrático, a Nova Federação de Sindicatos Palestinos, ou simplesmente Novos Sindicatos, foi criada em 2013.
 

Eles receberam um apoio inicial de um sindicato no Comitê palestino-norueguês ‘Trabalhadores Noruegueses e Palestinos’, tanto para os custos de registro legal quanto para treinamento de seus representantes. Internacionalmente, sua meta é desenvolver laçõs entre o sindicato e organizações simpatizantes em todo o mundo. O grupo norueguês começou os diálodos com sindicados da Noruega.

 
As 4 principais atividades dos Novos Sindicatos são:
 
  1. Combater o sistema de recrutamento de funcionários por agentes e intermediários
  2. Interromper as taxas ilegais para a organização israelense Histadrut e direcionar estes recursos para os sindicatos israelenses
  3. Lutar pelo direito à previdência social e um salário mínimo decente
  4. Lutar pelo cumprimento das leis trabalhistas, pela determinação de deadlines para processos legais, e mudança do sistema legal por meio da pressão política
 
A organização possui poucos recursos, e o que eles possuem vem de pequenas taxas de adesão cujo valor será elevado quando já estiverem mais bem-estabelecidos e puderem mostrar bons resultados.
 
 
Neste momento está sendo construída a organização e desenvolvido o conhecimento de seus representantes no que diz respeito às tarefas do sindicato e como atingí-las. Em Tulkarm, cidade no norte da Cisjordânia, o primeiro curso de treinamento para representantes dos trabalhadores e trabalhadoras do setor têxtil foi conduzido com grande entusiasmo. Instrutores profissionais deram aulas em assuntos como organização de reuniões, a história do movimento dos trabalhadores e trabalhadoras palestino e internacional, planejamento financeiro, saúde e segurança no trabalho, legislação trabalhista da Palestina e de Israel, o que é o sindicato, e habilidade de comunicação em público.
 

Este é um passo importante para os sindicalistas. Muitos deles possuem a mesma experiência de Sireen Khundairi e precisam saber seus direitos e se organizar para ter uma vida melhor, para lutar por melhores condições de trabalho e pela independência de sua terra.

 

x

Select (Ctrl+A) and Copy (Ctrl+C)